11 de jun de 2012

Pela porta dos fundos




Ela me convidou para entrar.
Pela porta dos fundos, ela fez sala na cozinha.
Procura afago e ouvidos.
Eu a dei toda confiança naquele momento.
Enquanto preparava o café, ela ia me contando dos seus dias árduos
Trabalho, filhos, marido caminhoneiro.
Das noites frias e dos cafés da manhã solitários.
Das tardes quentes na conquista de clientes nas feiras de sábado
Do Luis, João e Lívia.
Luis vivia jogando bola na rua
João só escutava Legião
Lívia se maquiava para ir à escola.
Ela me serviu o café, quente como as tardes de sábado
Frio como as noites sem o marido
Solitário como deixar a porta dos fundos aberta.
Esperando que alguém entre e lhe faça uma singela visita
A porta da Sala vive fechada. Ela evita a tempestade de poeira.