17 de dez de 2012

Narcisismo

"Narcisismo", palavra que caracteriza o século. Paixão pelo próprio reflexo, paixão desenfreada pela própria aparência. Perfeição? A paixão que faz nascer a crueldade e o desprezo. Narcisismo que ultrapassa a aparência física e vai além. Ser narcisista que despreza ideias e sentimentos alheios, ser que por vaidade foge sem recolher os cacos que deixou no caminho. Humilha, corre, não explica, não aceita, apenas aprecia a sua dignidade, a sua bondade, o seu negro lindo olhar. Afoga, as esperanças do outro, pois a beleza da sua estrela cravada na testa, foi ofuscada por um mero "Zé". Narcisista por natureza não deixa brotar a essência, não sabe entender e não espera. Não se comove com o sofrimento do próximo. Acorda toma um banho e lá está ele novamente na frente do espelho.

Você

Hoje acordei, sem o meu motivo maior.
Hoje eu acordei e não abri os olhos
Continuei sonhando...

O sol não brilhou
O meu sorriso não brotou
Em todos os olhares eu procurei, mas não achei
Não consegui manter a calma e no ônibus esbarrei em alguém.
Não era você.

A distância tomou conta do meu peito
Percebi que você não voltaria e eu nunca mais cruzaria o meu olhar com o seu.
Distância que antes não era percebida, pois o amor encurtava o tempo e o querer.
Mas hoje eu acordei, sem o meu motivo maior. Você.

Momentos

Só queria saber voar e voar para longe, bem longe. Outro país, outra galáxia, outro olhar. Sair daqui e esquecer as ilusões, os dias pensativos em que fiquei imaginando nossa casa, o nosso lar, os nossos beijos, as nossas brigas e reconciliações. Esquecer as palavras doces, os momentos de carinho e afeição, pois são esses momentos que machucam mais, quando são lembrados. Nem tudo na vida é maresia, mas quando há amor, o corpo e a mente resistem, pois coração grita mais alto a palavra superação. O amor não foi suficiente, o fervor da paixão não resistiu há tantos problemas. O meu coração ainda acelerava a cada toque do celular. O que aconteceu? Como? Me diga como o amor, o seu amor morreu?

6 de ago de 2012

Toma-me


   
Eu preciso escutar uma canção
Eu preciso sentir o som
Meu coração acelera
Toda vez que teus cabelos voam pelo ar

Deixe... Que o perfume preencha as lacunas
Deixe... Que o meu suspiro respire teu ar
Deixe... Apenas deixe-me embriagar

Perco-me no aconchego do teu pescoço
Acho-me quando entrelaço suas penas em minhas
Decoro teus movimentos quando me deito em cima de ti
Sinto o pulsar do teu peito dizendo... Toma-me.

11 de jun de 2012

Pela porta dos fundos




Ela me convidou para entrar.
Pela porta dos fundos, ela fez sala na cozinha.
Procura afago e ouvidos.
Eu a dei toda confiança naquele momento.
Enquanto preparava o café, ela ia me contando dos seus dias árduos
Trabalho, filhos, marido caminhoneiro.
Das noites frias e dos cafés da manhã solitários.
Das tardes quentes na conquista de clientes nas feiras de sábado
Do Luis, João e Lívia.
Luis vivia jogando bola na rua
João só escutava Legião
Lívia se maquiava para ir à escola.
Ela me serviu o café, quente como as tardes de sábado
Frio como as noites sem o marido
Solitário como deixar a porta dos fundos aberta.
Esperando que alguém entre e lhe faça uma singela visita
A porta da Sala vive fechada. Ela evita a tempestade de poeira.

1 de abr de 2012

Mais um dia: please, てください。,s'il vous plaît


Monumentos históricos, portões de ferro, paralelepípedos escorregadios, igrejas fabulosas, pessoas fantasiadas e o frio das montanhas. Sim nós nos abraçamos, nos amamos, sonhamos aquela noite e juramos união sob o frio que fazia. Enquanto eu olhava em seus olhos relembrava o caminho que percorri até chegar a você.  Eu olhei para o horizonte e só conseguia ver casinhas de arquitetura barroca. Aquela bem longe na mais alta colina me caberia. Caberia a mim e a você.  Andando pela calçada estreita fizemos planos para uma vida toda. Mas tudo foi um sonho. Um sonho distante que japoneses, americanos, franceses vivenciam por um instante, respiram e prolongam a estadia por mais um dia.  

20 de mar de 2012

O silêncio dos seus olhos


Não preciso de nenhuma palavra
Só preciso da intensidade do seu olhar.
Respiração ofegante, você me amarra com seus cílios
Eu abro meus olhos e num beijo longo sinto sua fúria em me amar.
Só você tem esse olhar que penetra em minhas pupilas.
O brilho dos seus olhos envolve minha vida em um segundo
Perco o rumo e as palavras se tornam um mero detalhe.
Não precisa tentar explicar.
Seus olhos estremecem, eu sei.